What is the difference between Cruelty-Free and Vegan products? - VeganCare Cosmetics
My Cart
0.00
My Cart
0.00
crueltyfree vegan differences products

Qual a diferença entre Produtos Vegan e Cruelty-Free?

Então, “Cruelty-Free” e “Vegan” não significam a mesma coisa?

Com o abrir de novas consciências no século XXI, começamos a dar mais valor à vida humana e animal. Hoje somos mais exigentes com os produtos que compramos e com os nossos próprios hábitos. Procuramos produtos que não envolvem crueldade animal, evitando certas substâncias, ou certas fases no processo de fabrico de um produto.

Para nos ajudar, Organizações Não Governamentais (ONGs) como a People for the Ethical Treatment of Animals (PETA), The Vegan Society Trademark, European Vegetarian Union (EVU), entre outras, criaram conceitos e selos certificados, que correspondem a critérios específicos, de forma a informar o consumidor final sobre o que está a comprar.

Apesar de existir muita informação e divulgação sobre assuntos desta natureza, há questões que naturalmente surgem, como por exemplo: Cruelty-Free e Vegan não serão mesma coisa?

Nem por isso. Estes são dois conceitos bastante distintos. Vamos ver o que significa cada um!

Em que diferem então os produtos Cruelty-Free e Produtos Vegan?

Sabias?

Talvez já tenhas comprado um produto com a palavra “Cruelty-Free” no rótulo e ficaste a pensar que isso não implicaria qualquer exploração animal. Ou então, compraste um produto com o termo “Vegan”, e ficaste a indagar-te se isso significa que também não é testado em animais.

4901430
Conceito “Cruelty-Free”

O termo, significa que nenhum teste foi realizado em animais. Ou seja, indica-nos que, desde os fornecedores dos ingredientes, ao produto final, e até que entre em mercado, em nenhuma altura houve testes realizados em animais, antes de uso humano.

E por teste realizados em animais, entenda-se:  toda e qualquer experiência com animais, cuja finalidade é a obtenção de um resultado, seja de comportamento, medicamento, cosmético ou acção de substâncias químicas, e podem até envolver experiências realizadas sem anestesias.

Para que um determinado produto seja considerado “Cruelty-Free”, não está em causa se os seus ingredientes são de origem animal, mas apenas se estes não são testados em em animais em qualquer fase do seu processo de fabrico.

Conceito “Vegan”

Este é o que levanta mais dúvidas, pois é o mais abrangente e mais facilmente manipulável. O conceito significa, por um lado, que nenhum ingrediente que compõe o produto final terá origem animal.

Na cosmética e produtos de higiene é comum serem utilizados inúmeros ingredientes de origem animal, que para além dos mais óbvios como o Leite e Ovos, incluí também ingredientes como: Glicerina (que é extraída da gordura animal), Lanolina (que é um derivado da lã), Cera de Abelha/Mel, e até Colágeno (que é produzido a partir de animais de gado).

O conceito de “Vegan” traz também consigo, previsivelmente, a noção de que o produto em questão não envolveu qualquer forma de exploração animal, o que inclui, obviamente, os testes em animais. No entanto, isto apenas poderá ser assegurado num produto comercial quando acompanhado de selos como a Vegan Trademark da VeganSociety ou a V- Label. Estes selos só consideram o produto Vegan se este, além de não conter produtos de origem animal, também não ter sido testado em animais, em nenhuma fase do seu processo de produção.

Algumas empresas e/ou produtores criam selos “Vegan” próprios, não certificados, com base em critérios próprios e arbitrários, o que pode causar uma rotulagem errada, levando o consumidor final ao engano, daí a importância da certificação.

A importância de ler os rótulos!

Como podemos ver, palavras-chaves como “Cruelty-Free” e “Vegan”, são muitas vezes usadas no marketing (por vezes apenas por desconhecimento), de forma a iludirem o consumidor final, se não vierem acompanhados dos respectivos selos que elas representam.

Isto torna-se perigoso pois, por exemplo, o conceito “Cruelty-Free” pode ser elástico, uma vez que as empresas podem afirmar, nos seus sites e produtos, que não testam os seus ingredientes ou produtos finais em animais, com a excepção de quando são requeridas pela lei do país onde querem vender, como por exemplo, na China.

Muitas marcas não são “cruelty-free”, devido a mercados como o da China, que exige que os produtos sejam testados em animais antes de poderem ser vendidos no país. Escusado será relembrar que esse país representa uma grande fatia das vendas para as empresas de cosmética e não só. Infelizmente, muitas marcas não estão interessadas em perder tal fatia.

cruelty free concept
Como podemos tomar uma escolha mais informada?
Procurando os selos certificados

É simples: antes de colocar um produto no seu carrinho de compras, é importante ver atentamente o rótulo ou a embalagem e procurar por símbolos oficiais como:

v label
V-Label

É o selo mais comum em Portugal e a nível mundial, que foi criado pela EVU. Este selo garante-nos que o produto que não contêm ingredientes animais, em nenhuma etapa da sua produção e processamento, e também que: não inclui produtos cuja embalagem contenha produtos derivados de animais e que não contêm OGMs. (Adaptado da página oficial de V-Label)

The Vegan Trademark

Este garante-nos não só que o produto não tem ingredientes de origem animal, como também: que não foi testado em animais e que os ingredientes OGMs (Organismos Geneticamente Modificados) – GMOs em inglês -, não contêm genes animais, ou genes derivados de animais. (Adaptado da página oficial de The Vegan Society.)

vegansociety flower
leapingbunny
Leaping Bunny

Este selo, da Cruelty-Free International, garante-nos que a Empresa não realiza, não deve conduzir, comissionar ou ser parte de testes em animais de qualquer cosmético, incluindo as formulações e ingredientes de tais produtos. (Adaptado da página oficial de Leaping Bunny Program.)

Peta

Selo Cruelty-Free da PETA (People for the Ethical Treatment of Animals). Este selo sugere que o produto é vegan e cruelty-free, mas em verdade não existe garantia absoluta que o seja, pois a organização PETA não audita as empresas e não há um controlo rigoroso.

CrueltyFreeVeganLogo CMYK 300

Seja que símbolo/selo for, é importante que sejam os oficiais e que representem critérios reais e efectivos. Há produtos que, com o intuito de seduzir consumidores, forjam símbolos e termos, que não tem real valor ou significado.

Fazemos o trabalho de casa por ti

Podemos ir às compras já informados sobre o que é seguro comprar! Existem várias listas oficiais de produtos internacional como:

Leaping Bunny |  https://www.leapingbunny.org/shopping-guide

Peta |  https://crueltyfree.peta.org/

The Vegan Sociaty |  https://www.vegansociety.com/search/products/numbers

E até listas de ingredientes alternativos aos ingredientes de origem animal, como:

Caring Consumer |  https://caringconsumer.com/ingredient-fact-sheet/

Lista oficial de produtos portugueses Vegan e Cruelty-Free: https://www.certificadovegetariano.pt/produtos-certificados/

Resumindo...

Os conceitos Cruelty-Free e Vegan não são a mesma coisa! Na medida em que os produtos “Cruelty-Free” são apenas os que não implicam testes em animais para poderem ser colocados no mercado.

O termo Cruelty-Free é discutível para muitos, uma vez que produtos “isentos de crueldade”, conforme o termo sugere, podem ainda assim conter matérias-primas que implicaram a exploração e/ou morte dos animais. Isto agrava-se ainda mais com o facto de por vezes serem apenas palavras vazias de marketing que são usadas para vender, num nicho de mercado em crescimento.

Já os produtos “Vegan” são os que, para além de não conterem nenhum ingrediente de origem animal, também não realizam testes em animais, desde que devidamente certificados.

Deixa-nos um comentário!

Don't let it escape!

We mean the 10% discount in your first purchase, not the bunny! We hope all animals go free!

Trust Badge
Portes gratuitos para Portugal, a partir de 10€ de compras!
Até dia 24 de Outubro!
Não acumulável com outros descontos.
x